Ministério da Saúde aprova plano da CBF e Brasileirão poderá ter público em outubro

O ministro Eduardo Pazuello deu o aval para a entidade por meio de ofício endereçado ao presidente Rogério Caboclo

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 22 (AFI) - O Ministério da Saúde aprovou o plano da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que visa o retorno de 30% do público nos estádio brasileiros. A princípio a medida é para os jogos do Campeonato Brasileiro Série A a partir de outubro. Para prosseguir com o plano, porém, será necessário receber a permissão das autoridades sanitárias de Estados e Prefeituras.

O ministro Eduardo Pazuello deu o aval para a entidade por meio de ofício endereçado ao presidente Rogério Caboclo. A exigência é que os estados e municípios que receberão os jogos adotem protocolos. A CBF quer que todos adotem as mesmas medidas.

A prefeitura do Rio de Janeiro, por exemplo, vem sendo defensora da volta do público. Tanto que anunciou na última sexta-feira, que pretende colocar 20 mil pessoas no Maracanã em outubro. Na quinta-feira, autoridades municipais, estaduais e federais vão se encontrar e representantes da CBF também são aguardados.

RASCUNHO DA PROPOSTA

Nas últimas semanas a CBF havia elaborado um rascunho da proposta com informações preliminares. O conteúdo trazia principalmente a limitação para somente a torcida mandante frequentar os estádios e não contemplar as Séries B, C e D do Nacional.

O plano da entidade é nas próximas semanas aprofundar a discussão com os clubes para se ter um protocolo mais rígido de conduta e de cuidados com o distanciamento social.

Alguns clubes incentivam o retorno da torcida principalmente para amenizar problemas com bilheteria. Como os jogos têm sido realizados com portões fechados desde o início da competição, as equipes têm acumulado prejuízos com os custos operacionais das partidas.

SEM DESEQUILÍBRIO

A CBF avalia uma forma de em todos os Estados ser possível ao mesmo tempo retomar a presença de torcida, para não gerar o desequilíbrio competitivo de um time ter público em casa e o outro, não.

NA ALEMANHA

Um dos exemplos no combate ao coronavírus, a Alemanha já aprovou o retorno do público na Bundesliga, mas sob várias restrições.

Entre elas, estão: apenas 20% da capacidade total, ingressos personalizados para rastreio em caso de contaminação, apenas torcedores do time mandante, distância de 1,5 metro, uso de máscaras, proibida venda de bebidas alcoólicas, cidade precisa ter menos de 35 novos casos por 100 mil habitantes na última semana.