ESPECIAL NORDESTÃO: Fortaleza levanta taça inédita em ano inesquecível

Contando a Série B do ano passado, time tricolor conquistou três títulos em seis meses, antes de fazer história no Brasileirão

por Agência Futebol Interior

Fortaleza, CE, 25 (AFI) - O torcedor do Fortaleza não tem do que reclamar sobre 2019. Foram 12 anos longe da elite do futebol brasileiro, oito deles sofrendo como nunca na Série C, mas o ano do retorno à Série A enterrou todas as desventuras desse período sombrio da história tricolor. O Leão se firmou como uma das grandes forças do futebol nordestino no cenário nacional, ao lado do Bahia, durante a disputa do Brasileirão, e já havia dado claros sinais disso ao ser campeão da Copa do Nordeste, ainda no primeiro semestre.

Conquista do Nordestão pela primeira vez, título do Campeonato Cearense em cima do Ceará e classificação inédita para a disputa de uma competição internacional. Esse foi o saldo do Fortaleza nesta temporada mais do que especial. Puxando a Série B de 2018 para conta, foram três títulos conquistados em seis meses e uma torcida em euforia total depois de tantas frustrações ao longo das últimas temporadas.

O título da Copa do Nordeste foi o último dessa sequência e, por isso, tem um lugar especial nos corações tricolores. Além disso, o Fortaleza jamais havia disputado um final do torneio regional em toda a sua história. Até então, suas melhores colocações eram um quarto lugar, em disputa perdida diante do Náutico, em 2001, e um terceiro, conquistado sobre o rival Ceará, em 2013.

Fortaleza levantou a taça do Nordestão pela primeira vez. (Foto: Leonardo Moreira / Fortaleza EC)
Fortaleza levantou a taça do Nordestão pela primeira vez. (Foto: Leonardo Moreira / Fortaleza EC)

MELHOR DEFESA, MELHOR ATAQUE
A campanha do título foi incontestável, começando pelo desempenho defensivo. Dono da melhor defesa da competição, o Leão sofreu seis gols em 12 partidas e não teve a rede balançada durante as fases eliminatórias. Da última rodada da fase de grupos até a final, foram cinco jogos seguidos sem ter a defesa vazada. Muito disso se deve às atuações do goleiro Marcelo Boeck, um dos principais destaques da equipe no torneio, e dos zagueiro Quintero e Roger Carvalho.

Marcelo Boeck fez grande campanha na Copa do Nordeste. (Foto: Pedro Chavez / Fortaleza EC)
Marcelo Boeck fez grande campanha na Copa do Nordeste. (Foto: Pedro Chavez / Fortaleza EC)

Assim como o sistema defensivo, o ataque tricolor também foi o melhor da Copa do Nordeste, com 19 gols marcados em 12 jogos. Até por isso, o time teve dois jogadores dividindo a artilharia do campeonato. Os goleadores foram Giberto e Júnior Santos, cada um com oito gols. O equilíbrio dos sistemas rendeu solidez à equipe, derrotada apenas uma vez, em meio a quatro empates e seis vitórias.

FATOR CENI
Todos esses números são, sem dúvida, fruto do trabalho consistente feito pelo treinador Rogério Ceni, que moldou o time conforme a sua filosofia de jogo e colheu frutos rapidamente, isso desde a campanha do título da Série B no ano passado. Outros número como média de posse de bola de 55,1% e média de acerto de passes de 91,6% mostram o quanto o modelo de jogo proposto pelo técnico funcionou durante a disputa do Nordestão.

“Eu gosto de futebol e gosto de desafios. No Fortaleza eu me sinto muito bem. Algumas coisas eu até bato de frente, mas a gente sempre se ajeita. Às vezes você não tem toda a estrutura necessária, mas você consegue ir adiante. Para mim o mais importante são os jogadores”, afirmou o treinador em maio, após a conquista.

Rogério Ceni já entrou para a história do Leão. (Foto: Leonardo Moreira / Fortaleza EC)
Rogério Ceni já entrou para a história do Leão. (Foto: Leonardo Moreira / Fortaleza EC)

Com três títulos em dois anos no comando do Tricolor, Rogério já está eternizado na história do clube. Durante a disputa do Brasileirão, ele saiu para tentar reerguer o bagunçado Cruzeiro e não durou muito tempo por lá, até me razão da crise política vivida pelo time mineiro. De volta ao Pici, não demorou a reconquistar a torcida, livrando o time do rebaixamento e garantido a classificação inédita para a disputa de uma competição internacional.

SOBRANDO
Em campo, a trajetória para a conquista do Nordeste foi inesquecível. Depois de passar em primeiro no Grupo A, com 13 pontos e sem maiores dificuldades, o Leão viveu uma grande momento nas quartas de final, quando goleou o Vitória por 4 a 0, diante de quase 30 mil torcedores no Castelão. Júnior Santos marcou dois gols no primeiro tempo, enquanto Edinho e Dodô deram números finais a vitória.

Na semifinal, a vitória não veio tão fácil. Novamente no Castelão, por causa da campanha, o Fortaleza recebeu o Santa Cruz e avançou à final com o gol de um herói improvável. Romarinho entrou aos 18 minutos do segundo tempo, no lugar do artilheiro Júnior Santos, e colocou a bola na rede aos 32 minutos, após passe de Marcinho.

Wellington Paulista foi decisivo na grande final. (Foto: Pedro Chaves / Fortaleza EC)
Wellington Paulista foi decisivo na grande final. (Foto: Pedro Chaves / Fortaleza EC)

WP9 NELES
Diferente das fases anteriores, a grande final foi disputada em ida e volta. O adversário Botafogo-PB teve a vantagem de decidir em casa porque tinha melhor campanha. No primeiro jogo, em casa, o Tricolor venceu por 1 a 0, com gol de Wellington Paulista, aos 33 minutos do segundo tempo, e foi para João Pessoa em vantagem.

Se no jogo de ida foi necessário esperar pelos minutos finais do segundo tempo para gritar gol, na partida de volta a garganta dos tricolores trabalhou logo aos três minutos da etapa inicial, quando Wellington Paulista resolveu de novo. Depois, foi a vez de Marcelo Boeck entrar em ação para fazer grandes defesas e garantir a vitória por 1 a 0, assim como o título inédito da Copa do Nordeste.