Paulistão: Entenda por que o Guarani não deve facilitar saída de Ricardinho em 2020

Volante é constantemente especulado como alvo do CSA no próximo ano

por Lucas Rossafa

Campinas, SP, 16 (AFI) - Embora tenha contrato até dezembro de 2020, Ricardinho não tem permanência totalmente garantida no Guarani.

O volante é constantemente especulado como reforço do CSA, mas a tendência é que não haja tanta facilidade para liberação imediata - a não ser que haja ótima compensação financeira.

A tendência, entretanto, é que o Bugre faça 'jogo duro' em possível negócio. Duas razões em específico fazem diferença na balança: dificuldade de reposição e espírito de liderança.

FICA A DICA

Exemplo prático é que o Alviverde ainda não conseguiu oficializar nenhum reforço para a próxima temporada por problemas financeiros e/ou concorrência no mercado.

Com dois anos de Guarani, Ricardinho é alvo do CSA para 2020 - Letícia Martins / Guarani FC
Com dois anos de Guarani, Ricardinho é alvo do CSA para 2020

Se perder Ricardinho para um concorrente direto na Série B, certamente vai encontrar problemas para fechar com uma peça disponível com perfil semelhante.

Outro fato é a liderança junto ao plantel. Com as saídas de Ferreira e Rondinelly e a iminente despedida de Lenon, Ricardinho será o jogador com maior tempo de Brinco de Ouro - chegou em janeiro de 2018.

Embora tenha amargado o banco de reservas sob comando de Thiago Carpini, o atleta de 30 anos tem bagagem suficiente para ser um dos 'cabeças' do grupo, o qual é bem rejuvenescido.

Ele, inclusive, é um dos poucos com vínculo válido para o próximo ano. Os zagueiros Diego Giaretta e Luiz Gustavo, outros com boa experiência, não tem permanência incerta para o Campeonato Paulista.

"Ricardinho, se permanecer no clube e tendo contrato, com certeza, vai brigar pelo espaço dele e, claro, se ajustando dentro da maneira que eu penso o futebol do Guarani para o ano que vem. Ele conseguindo desempenhar essa função continua sendo um pilar e uma referência", declarou Carpini, na semana passada, em entrevista à Rádio Central.

"Acho o Ricardo um grande jogador. A perda de espaço foi em função da ascensão do time. Nós mexemos em algumas situações. Ele também têm essas virtudes, mas, neste momento, as coisas encaixaram dessa maneira. Eu tive de ter critério e não poderia mexer. Me respeitou e me ajudou", emendou.