Sem vazar nos últimos jogos, defesa do Santos é a arma no Equador

O Peixe tem a chance de se classificar antecipadamente para as oitavas de final da Libertadores

por Agência Estado

Santos, SP, 21 - Pontuar diante do Delfín, no Equador, nesta quinta-feira significa ao Santos encaminhar a classificação às oitavas de final da Copa Libertadores. Pode até voltar com a vaga garantida com duas rodadas de antecedência.

Repetir o bom desempenho defensivo dos últimos jogos será uma arma diante de um rival desesperado e que promete se lançar ao ataque.

Lanterna do Grupo G e precisando desesperadamente vencer para seguir vivo na Libertadores, o Delfín terá de se arriscar diante do Santos. Esse desespero pode ser benéfico.

Defesa do Santos vive um bom momento nesta temporada
Defesa do Santos vive um bom momento nesta temporada
O clube brasileiro tem um ataque muito rápido e, caso a defesa repita o que fez diante de Olimpia-PAR e Botafogo, jogos nos quais "fechou a casinha" e ajudou bastante na saída rápida nos contragolpes, dificilmente o time não fará gols.

DEFESA EM ALTA
Valerá bastante a máxima que "defesa é o melhor ataque". Sobretudo contra o Botafogo, o Santos cansou de aparecer na frente do gol do paraguaio Gatito Fernández após a sua defesa desarmar os oponentes. Faltou apenas ser preciso nas finalizações.

Crente que a falta de pontaria diante do Delfín não se repetirá como aconteceu no Rio de Janeiro, evitar que os equatorianos saiam em vantagem no placar será decisivo nesta quinta-feira.

"Toda a equipe defende e isso é muito importante. O professor cobra isso", observou o zagueiro Lucas Veríssimo, capitão diante do Botafogo.

"Teremos uma viagem longa pela frente, então precisamos descansar, recuperar ao máximo, pois vamos para cima deles (Delfín)", garantiu.

NA TORCIDA
O Santos entrará em campo ciente do resultado de Defensa y Justicia x Olimpia, na Argentina, que se encaram nesta quarta-feira. Em caso de triunfo paraguaio, o time se garante caso vença no Equador.

E a estratégia está na ponta da língua: "Será importante não sofrermos gols, como foi contra o Olimpia", decretou Lucas Veríssimo, confiante que dificilmente Marinho, Soteldo, Kaio Jorge ou Arthur Gomes passarão o terceiro jogo seguido sem marcar ao menos um vez.

Vale frisar que o Santos sofreu apenas um gol nos três jogos disputados até então na Libertadores.