Mexidas radicais prejudicam entrosamento e Ponte amarga derrota na estreia

Mexidas radicais prejudicam entrosamento e Ponte amarga derrota na estreia

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Com razoável atraso é atualizada a coluna Cadê Você, cujo personagem é o ex-meia Alfredo que jogou no Guarani na década de 70.

Clubes de Campinas estrearam com derrota por 1 a 0 no Campeonato Brasileiro da Série B, na noite deste sábado.

Jogos em horários simultâneos 'esnucam' analistas de futebol da cidade.

João Brigatti
João Brigatti

A opção pelo jogo Ponte Preta e América Mineiro é justificada pelas mudanças radicais no time pontepretano.

Logo, o seu torcedor estava ávido pra saber a quantas anda esse novo formato.

Claro que o espaço continua escancarado para que o bugrino opine sobre a estreia da equipe na derrota para o CSA, em Maceió.

PÊNALTIS INEXISTENTES

No frigir dos ovos, o resultado de empate seria o mais adequado, pois se o América Mineiro teve mais presença no primeiro tempo, a Ponte avançou as linhas após o intervalo, e pelo menos lutou incessantemente para tirar a vantagem do adversário.

O árbitro Paulo Renato errou as assinalar um pênalti para cada lado.

Aos 42 minutos do primeiro tempo, após cabeçada do atacante Vitão, do Coelho, a bola bateu na barriga do lateral pontepretano Apodi, mas o árbitro interpretou que tivesse tocado na mão.

Aí, quando o lateral-esquerdo João Paulo propiciou defesa do goleiro Ivan, na cobrança, o volante Dawhan, da Ponte, tocou contra a sua própria meta, no rebote, mas como João Paulo acompanhava o lance o gol foi anotado para ele.

Erro na mesma proporção favoreceu a Ponte, quando João Paulo do Coelho escorreu e o atacante pontepretano Zé Roberto simulou ter sido tocado e cavou o pênalti, que seu companheiro João Paulo cobrou acertando a trave esquerda aos 13 minutos.

DESENTROSAMENTO

Treinador João Brigatti, da Ponte Preta, foi alertado do risco de mudanças radicais na equipe para a estreia.

Pois mexeu em cinco posições e, neste cenário, a falta de entrosamento dos jogadores é coisa inevitável.

Se tecnicamente o lateral-esquerdo Ernandes tem mais recursos de que Lazaroni, na prática, ao ser escalado ficou preso à marcação de Felipe Augusto, e levou desvantagem no duelo, até que o adversário cansasse e fosse substituído por Léo Passos, que piorou o rendimento do setor.

Apesar disso, Ernandes não explorou o espaço para construir jogadas ofensivas.

Como o rendimento coletivo do lateral-direito Apodi, da Ponte Preta, é questionável, o time careceu de transição de jogadas ao ataque pelas beiradas.

A bola demorava pra chegar no atacante Bruno Rodrigues, possibilitando a marcação adversária.

Meia João Paulo, deslocado pela direita, teve queda de rendimento.

Como faltava dinâmica ao estreante meia Camilo, o time pontepretano se valeu basicamente da movimentação do atacante Zé Roberto, o único que incomodou defensores adversários.

Persistiu, igualmente, a deficiência de saída de bola, visto que o quarto-zagueiro Rayan também optou por alongá-la.

CANSAÇO

No primeiro tempo prevaleceu a melhor distribuição em campo do América, time que manteve a base do Campeonato Mineiro.

Contudo, na metade do segundo tempo a equipe dava claros sinais de cansaço, pelo desgaste do jogo decisivo de quarta-feira contra o Galo, na competição regional.

Pelas circunstâncias, o treinador Lisca demorou pra substituir Felipe Augusto e o meia Alê, visivelmente esgotados fisicamente.

As substituições da Ponte Preta para tornar o time mais ofensivo não prosperaram, e agora a meta é tentar reabilitação em Pelotas, contra o Brasil, já na terça-feira.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos