Times da Série B optam por férias coletivas e ameaçam suspender direito de imagem

Cada clube poderá definir questões salariais e de direito de imagem diretamente com seus atletas

Publicado em .

Cada clube poderá definir questões salariais e de direito de imagem diretamente com seus atletas

Campinas, SP, 26 (AFI) - Em meio à negociação envolvendo o Conselho Nacional de Clubes e a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol, os 20 clubes da Série B estiveram reunidos na manhã desta quinta-feira, via videoconferência, e decidiram por dar férias coletivas a jogadores e funcionários por 20 dias, por iniciar no dia 1º de abril.

Em nota oficial publicada no início da tarde, os clubes afirmaram que pagarão integralmente os salários do mês de março, mas ressaltaram a possibilidade de aplicar uma redução de 25% caso a paralisação continue após o período de férias. Em tom polêmico, anunciaram a suspensão dos direitos de imagem.

Vale lembrar que os dois últimos itens citados não foram aceitos pelos atletas em reunião entre o Conselho Nacional de Clubes e a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol. As agremiações já haviam avisado que, se o acordo não fosse firmado, poderia acontecer uma decisão unilateral.

Times da Série B se uniram e definiram algumas situações em cima da paralisação
Times da Série B se uniram e definiram algumas situações em cima da paralisação
Confira a nota oficial:

Os 20 clubes que integram a Série B do Campeonato Brasileiro de Futebol Profissional, em conformidade com a Medida Provisória 927, de 22 de Março de 2020, diante da pandemia do Coronavírus (Covid-19), que causou o cancelamento de jogos, a paralisação de campeonatos e a recorrente perda de receitas que dificultam o cumprimento de suas obrigações sociais e financeiras, e do impasse na negociação entre o Conselho Nacional de Clubes e a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (FENAPAF), DECIDIRAM conjuntamente adotar as seguintes medidas:

1- A concessão de férias de 20 dias, prorrogáveis por mais 10 dias, a todos os atletas profissionais, membros de comissões técnicas e funcionários a partir de 1º de abril de 2020, em conformidade com o artigo 6º da Medida Provisória 927, de 22 de março de 2020. Salientamos que tal prorrogação dependerá de reavaliação do cenário e das condições de paralisação, sendo que tal item será definido em reunião entre os 20 clubes, no próximo dia 15 de abril de 2020;

2 - Apesar das dificuldades impostas pelas paralisações das atividades, os clubes não medirão esforços e realizarão os pagamentos dos salários do mês de março/2020 integralmente. Porém, em se mantendo este cenário de paralisação após o período de férias coletivas, poderá ser necessário aplicar a redução de 25% (vinte e cinco por cento) na remuneração de todos os atletas profissionais, membros de Comissões Técnicas e funcionários durante o período que durar a paralisação, como preceitua o artigo 503 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) em casos extremos e de força maior;

3 - A suspensão, pelo período de paralisação, de todos os Contratos de Direito de Imagem, cabendo a cada clube individualmente analisar e observar as características próprias dos respectivos contratos para as consequentes suspensões;

4- Solicitar às Federações, Confederações e a todas as entidades que organizam campeonatos um período mínimo para condicionamento físico dos atletas de 20 (vinte) dias entre o término da paralisação e a realização de partidas oficiais; e

5 - Colocar as dependências esportivas de todos os clubes à disposição das autoridades sanitárias e de saúde para a instalação de leitos, coleta de sangue, realização de exames e outras atividades que se façam necessárias para o auxílio no combate à pandemia e suas consequências.

6 - Temos a absoluta certeza que as providências acima são estritamente necessárias para não haver um colapso financeiro com consequências muito mais graves e que contaremos com o apoio e a compreensão de todos os envolvidos.